terça-feira, 16 de novembro de 2010

Eu gero energia, pergunte-me como

Nos dias 13, 14 e 15 nosso grupo de voluntários esteve novamente nas ruas para demonstrar como a energia solar pode ser usada. Foram muito bem recebidos pelo púbico que demonstrou interesse no processo com perguntas e comentários.

Para melhor detalhar no dia 13 o grupo encontrava-se ao lado da Usina do Gasômetro e correu a orla demonstrando o uso da placa solar para os que ali se encontravam aproveitando o sol de sábado a tarde.

     

Já no dia 14 os voluntários receberam com enorme prazer o palestrante Ricardo, formado em Engenharia Elétrica/Pucrs e o palestrante Felipe, formado em Engenharia Mecânica/Pucrs. Nesta pequena reunião os voluntários ouviram as palestras sobre energias renováveis e sua possível implementação no estado. Em uma grande reunião bem extrovertida as dúvidas restantes foram sanadas e todos tiveram a oportunidade de aprofundar um pouco mais seu conhecimento afim de passa-lo posteriormente a população.

      

Dia 15 a atividade foi no Parque da Redenção, localizado bem próximo ao centro do cidade, entre os bairros Bom Fim e Cidade Baixa.
Para um público diferente novamente foi explicado o processo de utilização da energia solar. Equipados de uma placa solar e lâmpadas os voluntários puderam demonstrar mais uma vez que a energia solar é sim possível e bem mais sustentável.

      

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

1º Festival Internacional de Filme sobre Energia Nuclear


O 1º Festival Internacional de Filme sobre Energia Nuclear vai acontecer em Maio 2011 no Rio de Janeiro e em Junho 2011 em São Paulo.
O Festival pretende informar a sociedade e estimular produções independentes audiovisuais sobre energia nuclear e todo o ciclo nuclear, os riscos da radioatividade e especialmente sobre exploração, mineração e o processamento de Urânio. Toda sociedade, todo povo tem o direito de escolha. Mas para decidir é necessário informação. Acreditamos que informação independente é essencial para o cidadania global. Informação independente é o básico para decisões independentes.
As inscrições acontecem de 6 de outubro de 2010 até 20 de janeiro de 2011.
Maiores informações no sítio do Festival em http://www.uraniumfilmfestival.org/html/portugues.html
Fonte: EcoDebate e Vista-se

CAETITÉ: Problemas com Radiação Nuclear na Bahia


Radiação nuclear. Caetité pede atenção. Entrevista com Zoraide Vilas Boas | Localizada a 750 quilômetros de Salvador (BA), Caetité vive as consequências da exploração de uma mina de urânio na cidade que tem rendido problemas como o aumento do custo de vida e, ainda, contaminação da água da qual 46 mil pessoas utilizam diariamente. “Entre os problemas principais estão o aumento da incidência de câncer, o potencial de drenagem ácida no sítio da mina e a preocupação com o futuro, pela convivência com uma indústria que já rendeu para Caetité o estigma de região radioativa e futuro depósito de lixo atômico, afugentado turistas e estudantes”, explica Zoraide Vilas Boas, presidente da Associação Movimento Paulo Jackson, em entrevista concedida à IHU On-Line por e-mail.
*ENERGIA NUCLEAR:  Toda sociedade, todo povo tem o direito de escolha*Zoraide nos conta sobre os incidentes que já ocorreram na mina, como estes são apresentados à comunidade e que tipo de problemas a médio e longo prazos a convivência com a mina estão trazendo para toda a população da cidade. “A população passou a temer mais os efeitos da mineração na saúde, a partir de 2005, quando as Indústrias Nucleares do Brasil – INB admitiram que não faziam o monitoramento da saúde dos trabalhadores e dos moradores do entorno da mina, descumprindo a condicionante do licenciamento ambiental”, conta ela.
IHU On-Line – Qual a situação da mina de urânio localizado na cidade de Caetité (BA)?
Zoraide Vilas Boas – Não saberia dizer, com precisão, a situação da mina, porque a marca registrada do setor nuclear – de falta de transparência, de diálogo, de informação – não é diferente na Bahia, onde as Indústrias Nucleares do Brasil (INB) exploram urânio há mais de dez anos. Subordinada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, a INB é uma sociedade de economia mista que atua com produtos e serviços relacionados ao ciclo do combustível nuclear. É controlada pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), proprietária e, ao mesmo tempo, fiscal das principais instalações nucleares e radioativas do país. Assim, os poderes públicos, a imprensa, a sociedade não têm livre acesso ao que se passa na Unidade de Concentrado de Urânio (URA), que fica em Caetité, no sudoeste baiano.
O que sabemos é que a URA não consegue se enquadrar nas normas de radioproteção e segurança, nacionais e internacionais; que foi acusada de imperícia e negligência pela própria CNEN, que já parou sua produção inúmeras vezes para consertar erros do projeto de engenharia e que acumula várias queixas trabalhistas na Justiça, sendo réu em duas Ações Civis Públicas, propostas pelos Ministérios Públicos Estadual (MPE) e Federal (MPF), em 2009. Só em 2010 a empresa barrou duas visitas às suas instalações: uma da deputada do PV alemão, Ute Koczy, porta-voz do partido para assuntos relacionados à política de desenvolvimento. Em agosto, ela veio conhecer detalhes e efeitos socioambientais do Programa Nuclear Brasileiro e das representantes da Relatoria do Direito Humano ao Meio Ambiente, da Plataforma Dhesca Brasil (Direitos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais). E também barraram a visita da socióloga Marijane Lisboa, professora da USP, e da antropóloga Cecilia Mello, que tentaram conhecer a mineração, em julho passado.
A mina fica no distrito de Maniaçu, sertão da Bahia, entre os municípios de Lagoa Real e Caetité, a 750 quilômetros de Salvador, capital do estado. Caetité tem mais de 46 mil habitantes, sendo 40% na zona rural. Lagoa Real tem cerca de 14 mil, com 80% na zona rural. Ali, o urânio é extraído do minério, purificado e concentrado em forma de sal amarelo, que vai para o Canadá, onde é convertido em gás, seguindo para enriquecimento em países europeus e volta à Fábrica de Rezende (RJ), onde se conclui a geração do combustível para as usinas Angra I e II (RJ).
Apesar da tentativa de impor que o setor nuclear seja estratégico, de segurança nacional, o que justificaria sigilo total sobre suas atividades, os movimentos e entidades sociais e populares têm conseguido reagir contra a manipulação da informação pelo setor, a omissão dos poderes públicos fiscalizadores e a falta de controle social sobre a URA. Hoje, por exemplo, embora não se tenha conhecimento de comunicado oficial aos órgãos públicos, ou à sociedade, sabemos que a produção está parada desde julho passado.
Sindicalistas revelaram que isto aconteceu pela “inoperância e incompetência” dos gestores, responsáveis por “uma série de barbeiragens administrativas, onde o que se viu foi uma completa falta de entendimento entre a CNEN e a INB. Ninguém cobrava de ninguém a responsabilidade e a situação se agravou ao ponto de gerar um prejuízo imenso aos cofres públicos”. Falaram ainda que isto é parte de um plano “ardiloso e vil” para privatizar a empresa, mas não informaram os motivos da paralisação. Segundo comentários extraoficiais, um vazamento de solvente químico (ácido sulfúrico e outros) para o solo, de proporção ainda desconhecida, levou a paralisação para reconstruir a unidade de estocagem e regeneração de solventes, que era tecnicamente inadequada para o serviço. As comunidades estão preocupadas, pois há cerca de dois anos fotografaram, perto da área industrial, um minadouro estranho, de uma água barrenta e espumosa, fato até hoje não investigado, ao que se sabe. Fala-se também que as bacias de armazenagem dos rejeitos atômicos estão abarrotadas e a manta que fica no pátio de lixiviação, onde o minério é submetido à solução de ácido sulfúrico para a retirada do urânio, estaria furada, provocando contínuos vazamentos.
IHU On-Line – E quais foram os principais problemas que essa mina trouxe para a população?
Zoraide Vilas Boas – Inicialmente, Caetité sentiu os efeitos sobre a economia, com a subida de preços de bens de consumo, uso e serviços, de imóveis e aluguel, quando o custo de vida praticamente quadruplicou. Na sequência da degradação psicossocial e ambiental, vieram o medo, a incerteza pela convivência com uma atividade de alto risco para os trabalhadores, a população e o meio ambiente.
Entre os problemas principais estão a escassez e a contaminação da água, o aumento da incidência de câncer, o potencial de drenagem ácida no sítio da mina e a preocupação com o futuro, pela convivência com uma indústria que já rendeu para Caetité o estigma de região radioativa e futuro depósito de lixo atômico, afugentado turistas e estudantes. O comércio se queixa de prejuízos decorrentes do preconceito contra a mineração atômica, mas quem mais sofre são as comunidades que vivem num raio de 20 quilômetros, definido como área de influência da URA, perto de mil famílias de baixa escolaridade, lavradores, pequenos proprietários rurais, que são as mais desassistidas pelo Estado. Mas também comunidades rurais dos municípios de Lagoa Real e Livramento são afetadas pelos malefícios da mina.
A questão do saneamento ambiental em Maniaçu é gravíssima. Não existe água para consumo básico, nem para comer. Além de comunidades rurais estarem consumindo água contaminada, o aquífero está rebaixando e os poços estão ressecando rapidamente. Estes problemas já eram previstos no Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima), que indicou agravos à saúde da população, alteração da qualidade do ar, poluição radioativa e contaminação das águas subterrâneas, do solo e da vegetação. A região tem sofrido com a violação de direitos humanos, como o direito à segurança no meio ambiente do trabalho, à saúde, à informação.
Lavradores foram induzidos a autorizar o uso gratuito, por tempo indeterminado, das águas subterrâneas de suas propriedades, passando para a URA o controle da água, oriunda de poços artesianos. Dezenas de poços foram abertos e, em 2007, uma seca prolongada castigou mais de cem famílias rurais, que perderam lavouras e ficaram dependentes de água fornecida pela INB. Hoje temem o impacto da liberação de radônio na atmosfera e da poeira gerada pelas explosões atômicas e têm seus produtos agropecuários recusados em feiras livres. São as maiores vítimas do descaso, da omissão, da negligência dos poderes públicos locais, estaduais e federais.
IHU On-Line – Que tipo de incidentes já ocorreram na mina?
Zoraide Vilas Boas – Em dez anos de funcionamento, há registro de mais de 12 eventos, entre acidentes e incidentes nas instalações, no processo produtivo ou com operários, todos classificados pela empresa como rotina operacional, independente da sua dimensão. Muitos desses problemas, que envolvem também o transporte do urânio até o porto de Salvador, estão detalhados no Relatório sobre Fiscalização e Segurança Nuclear, da Câmara dos Deputados, que mostra os riscos de acidentes nucleares e radiológicos no Brasil devido à fragilidade da fiscalização e à falta de estrutura do sistema de radioproteção – o Sipron. O relatório denuncia a omissão e a conivência do Ibama, para com a mineração em Caetité, que é de alto risco para a população e o meio ambiente.
O primeiro e grave acidente ocorreu em abril de 2000, poucos meses após o início oficial da operação, com o rompimento das mantas de isolamento das piscinas, que liberou para o solo cerca de 67 quilos do concentrado de urânio. A INB e a CNEN tentaram esconder o fato a todo custo, chegando a sustentar uma versão de sabotagem. Só três anos depois admitiram o evento, afirmando que os danos foram insignificantes. Em 2004, a bacia de retenção de particulados da cava da mina transbordou sete vezes, liberando líquido, com concentração de urânio-238, tório-232 e rádio-226 para o solo. Os fiscais da CNEN recomendaram a suspensão da mineração, pelo risco de desabamento e contaminação do lençol freático, e a não renovação da Autorização de Operação. Mas a CNEN ignorou o parecer dos seus fiscais.
Em junho de 2008, ocorreu novo transbordamento de licor de urânio, só confirmado três meses depois pelo Ibama. No ano passado, mesmo sem autorização do Ibama, e sem licença de ampliação da planta para fazer extração subterrânea, a INB anunciou a conclusão de um túnel de 500 metros na rocha para começar a mineração subterrânea. De outubro a dezembro de 2009 ocorreram pelo menos mais dois vazamentos, numa freqüência de eventos que aumenta a desconfiança sobre as competências científica e técnica da empresa para lidar com a atividade atômica.
IHU On-Line – Quais são as principais reivindicações de quem vive na cidade?
Zoraide Vilas Boas – As populações da região reivindicam uma urgente auditoria no complexo INB, por um grupo técnico multidisciplinar, independente, com representantes da comunidade, e acompanhamento dos Ministérios Públicos Federal e Estadual; a implantação de um sistema de vigilância epidemiológica, toxicológica, para identificação de doenças decorrentes de radiações ionizantes e a instalação, no SUS, de um núcleo para a prevenção e tratamento de doenças ocupacionais. Reivindicam uma investigação socioambiental e epidemiológica, independente e transparente, sobre os riscos de contaminação humana e do meio ambiente por urânio e outros elementos químicos associados à exploração desse minério.
Desde 2008, com o agravamento dos conflitos pelo uso da água, escassa no semiárido e consumida em larga escala pela INB, as comunidades reivindicam a aplicação da Lei de Recursos Hídricos, segundo a qual, em situação de carência, a prioridade do consumo é para o abastecimento humano e animal. A partir de 2009 lutam pelo cumprimento da liminar concedida pelo juiz de direito de Caetité, em Ação Civil Pública proposta pelo MPE, que determina ao governo do estado, INB, prefeituras de Caetité e Lagoa Real a adoção de providências urgentes para garantir a segurança alimentar e de saúde das populações da região, ainda não cumpridas integralmente pelos réus.
Reivindicam também a imediata suspensão das atividades da INB, até ser garantida a proteção dos trabalhadores e da população, como foi requerido pelo PPF, em Ação Civil Pública. O MPF propôs ainda que a União e a CNEN custeiem a realização da auditoria independente, solicitada pela sociedade desde o acidente de 2000, e que o IBAMA suspenda a licença ambiental existente e não conceda outras até serem sanadas todas as irregularidades atribuídas à mineração, em especial a separação entre as funções hoje acumuladas pela CNEN, de órgão regulador e fiscalizador de si mesmo.
IHU On-Line – Que tipo de resíduos e lixo essa usina de Caetité produz?
Zoraide Vilas Boas – Para nós, o resíduos líquidos, sólidos, gasosos (este de dispersão incontrolável), “bota-fora”, rejeitos, estéril fazem parte de uma só, desafiante e perigosa incógnita, não solucionada por nenhum pais do mundo: o lixo atômico, gerado em atividades minero-radioativas, cujos efeitos duram pelo menos 50 mil anos, e que se avoluma no mundo, como uma ameaça para o futuro da humanidade.
O urânio sai da Bahia para alimentar as usinas de Angra dos Reis, deixando em Caetité os custos do uso dessa tecnologia, cara e perigosa. O lixo é produzido em grande quantidade, devido à baixa concentração do urânio, mas não se sabe quantas toneladas de rejeitos sólidos já existem. Segundo a INB, a produção de uma só tonelada de urânio está resultando em três toneladas de estéril. O lixo fica estocado em tonéis, abertos, corroídos, expostos a chuvas fortes, contribuindo para a contaminação do solo e das águas superficiais e subterrâneas e estaria sendo enterrado na URA. O futuro do lixo atômico em Caetité é uma grande interrogação e preocupação. Ao que tudo indica, pela omissão da prefeitura municipal e pela improvisação que predomina no setor, será deixado de herança para o município administrar quando a reserva do minério acabar.
IHU On-Line – O meio ambiente de Caetité mudou muito em função da usina de urânio?
Zoraide Vilas Boas – Certamente que o meio ambiente na região mudou muito e para pior. Os malefícios não foram ainda devidamente quantificados porque o setor nuclear, além de conseguir que a INB funcionasse desrespeitando os Princípios da Precaução e Prevenção, exigidos pela legislação ambiental, e as convenções internacionais de segurança nuclear, assistiu os poderes públicos estaduais, federais e municipais atravessarem mais de uma década sem fazer uma avaliação da qualidade do ar, da saúde dos trabalhadores e da população, dos produtos agropecuários, do solo. Só a água passou a ser monitorada, mesmo assim de forma irregular, pelo órgão gestor de águas do estado, o Inga.
Depois da primeira análise da qualidade da água no entorno da mineradora, que confirmou a contaminação de três poços ao redor da mina, denunciada, no final de 2008, pelo Greenpeace, o Inga fez mais três coletas, confirmando teor de radiação acima dos índices permitidos pela OMS, Conama e portaria de potabilidade da água do Ministério da Saúde. Por isto, determinou a interdição de 11 pontos, nove usados para consumo humano e animal e dois de uso industrial pela INB. Mas as comunidades seguem consumindo a água contaminada, pois o fornecimento de água potável pela estado, prefeituras e INB, determinado pela Justiça, não é suficiente para atender as necessidades das famílias afetadas.
IHU On-Line – Existe uma estimativa sobre a quantidade de casos de câncer que vem aparecendo na região de Caetité depois da exploração do urânio?
Zoraide Vilas Boas – Como falamos em relação à agricultura, ao saneamento ambiental, na assistência médico-social é o mesmo descaso. Não existe um acompanhamento transparente e permanente por parte dos poderes públicos competentes, nem pela INB, que possa revelar, com precisão, a evolução da saúde humana na região.
A população passou a temer mais os efeitos da mineração na saúde, a partir de 2005, quando a INB admitiu que não fazia o monitoramento da saúde dos trabalhadores e dos moradores do entorno da mina, descumprindo a condicionante do licenciamento ambiental. A assistência à saúde sempre foi precária na região, que não dispõe de um centro de diagnóstico de câncer, decorrente de exposição a radiações ionizantes, e novos casos são registrados, inclusive entre os trabalhadores.
Observações pessoais revelam um crescente índice de câncer e depoimentos de ex-empregados relatam contaminação por contato direto com o urânio. Em diversas inspeções na URA, o Centro de Saúde do Trabalhador da Secretaria Estadual de Saúde (SESAB) registrou irregularidades na avaliação de segurança e medicina do trabalho. Segundo a SESAB, as neoplasias apresentam tendência crescente entre os grupos causadores de morte, sendo a segunda causa de óbitos na região, desde 1999, período do início da exploração. O alto índice de causas de morte não identificadas, mais de 40%, dificultam uma estatística mais próxima da realidade, enquanto a INB, claro, nega qualquer nexo entre o crescente índice de câncer e sua atividade.
Sabemos que a mineração eleva o potencial de exposição à radiação, especialmente dos trabalhadores e das comunidades que vivem no entorno da mina. Contudo, o setor nuclear insiste que há um limite para a exposição à radiação, incapaz de afetar a saúde humana, minimizando os riscos da URA. Mas especialistas no ramo consideram que qualquer dose de radiação, por menor que seja, produz efeito colateral no ser humano. O relatório de 2005, da Academia Nacional de Ciências, sobre os Riscos a Saúde por Exposição a Baixas Doses de Radiação Ionizante, afirma que não existe limite seguro para radiação. Segundo a ciência médica, todos os níveis de radiação causam câncer, mesmo a exposição a doses muito baixas, como o setor nuclear classifica a radiação em Caetité, onde a saúde da população não recebe a atenção devida pelo poder público, enquanto as comunidades são obrigadas a deixar seus afazeres para ir à luta a fim de tentar assegurar seu direito à saúde, à informação, à justiça ambiental, à vida!
Fonte: Vista-se e (Ecodebate, 04/11/2010) publicado pelo IHU On-line, parceiro estratégico do EcoDebate na socialização da informação.
[IHU On-line é publicado pelo Instituto Humanitas Unisinos - IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

sábado, 30 de outubro de 2010






Mesmo que nenhum candidato tenha assinado o compromisso, ambos disseram que eram a favor do desmatamento zero. Dilma, num comício em Belo Horizonte. Serra, no debate da Record. Nesta sexta, 29 de outubro, o Greenpeace protocolou pedido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que os pronunciamentos de ambos pelo desmatamento zero fossem incluídos em seus respectivos programas de governo registrados no próprio tribunal.
A pressão quebrou um tabu histórico. Foi a primeira vez que o tema ambiente figurou com razoável destaque na campanha eleitoral. Ainda que menos do que ideal, mas com força suficiente para mostrar aos candidatos que seja quem sair vencedor do pleito terá de prestar contas à sociedade sobre seus posicionamentos ambientais – e será cobrado por isso.
 Aos que entraram nessa refrega conosco, o Greenpeace dedica sua mais profunda admiração e reconhecimento pela disposição em empurrar para o palco eleitoral um assunto que nossos políticos teimam em deixar em segundo plano, esquecendo-se que ele é fundamental para definir o futuro desse país. 
E vamo que vamo, a eleição é neste domingo.  Vote com consciência. 

domingo, 24 de outubro de 2010

Diga a BNP parar com os investimentos radioativos!




O banco BNP está investindo pesado em projetos de energia nuclear, mais do que qualquer outro banco do mundo. Desta forma planejando financiar a construção de um perigoso reator nuclear em Angra, Brasil - um projeto que não respeita os padrões de segurança internacional.
Tal atitude vem a questionar a instituição do banco quanto a sua responsabilidade e honestidade. Principalmente por estar usando o dinheiro depositado por clientes para financiar um projeto tão perigoso sem ao menos os informar ou ter sua permissão para isto.
Financiar este projeto é um extremo mal uso do dinheiro público.
Mas você não precisa ser um cliente de BNP Paribas para mostrar sua preocupação com investimentos radioativos.
O mundo precisa de investimentos limpos, energias renováveis!
Veja mais e assine nossa petição em greenpeace.org/stopnuclearbanks
delivery of radioactive money
Energy [R]evolution!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

COP da Biodiversidade enfrenta mesmos problemas da reunião do clima

Nós estamos à beira de uma enorme convulsão de extinção’, diz o primatólogo Russel Mittermeier




 Delegados de mais de 190 nações deram início à Conferência das Nações Unidas focada na sobrevivência de diversas espécies e  ecossistemas ameaçados pela poluição, pela exploração e a invasão de habitats.
 
Mas a maratona de negociações da Convenção da ONU sobre a Diversidade Biológica enfrenta os mesmos rachas -- a respeito de quais seriam as medidas a tomar -- que se observam na Convenção sobre o Clima entre as nações ricas e pobres. 
 
Os cientistas avisam que a menos que o mundo comece a fazer mais para proteger as espécies, extinções irão se suceder e o mundo natural, marcado por uma intrincada interconexão, sofrerá danos com consequências devastadoras. 

"Nós estamos à beira de um enorme espasmo de extinção", disse Russel Mittermeier, presidente da ONG Conservação Internacional e biólogo que passou décadas estudando primatas. "Ecossistemas saudáveis são os fundamentos do desenvolvimento humano."
 
Se uma parte da complexa rede de organismos vivos desaparece - como abelhas, que têm o papel de polinização e cujo número vem caindo - todo o sistema pode entrar em colapso, argumentam os cientistas.

Esta é a décima edição da Convenção de Diversidade Biológica, que nasceu na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio 92. O objetivo da reunião é chegar a um conjunto de 20 metas quantificáveis para a próxima década para tentar retardar ou parar a tendência de perda de biodiversidade no mundo. 

"A hora de agir é agora e o lugar é aqui", disse o secretário executivo da convenção, Ahmed Djoghlaf.
 
Uma das propostas mais comentadas é a transformação de vastas extensões de terra e oceano em áreas protegidas, embora as nações em desenvolvimento não tenham interesse em reduzir suas estimativas de crescimento econômico para os próximos anos. 
 
Outra questão polêmica é a tentativa de criação de uma estrutura legal para dividir equilibradamente o acesso e os benefícios dos recursos genéticos, como plantas com valor medicinal. Um exemplo é a pervinca rosa, uma planta nativa de Madagascar, que entra na composição de dois remédios contra o câncer. As companhias farmacêuticas do ocidente cultivaram as plantas e lucraram com elas, mas pouco dinheiro voltou para Madagascar. Os países em desenvolvimento argumentam que deveriam receber uma parte dos benefícios advindos da comercialização dos medicamentos.
 
A convenção não tem um bom histórico pregersso. Falhou, por exemplo,  na obtenção de metas globais estabelecidas em 2002 para melhorar a proteção da biodiversidade em 2010.
 
Os cientistas estimam que a Terra está perdendo espécies entre cem e mil vezes mais rápido do que a média histórica. Eles avisam que isso está levando a Terra em direção a sua sexta grande fase de extinção, a maior desde que os dinossauros foram banidos do planeta, há 65 milhões de anos. 
 
Mittermeier disse que em seu campo, a primatologia, dos 669 diferentes tipos de primatas, 49% estão ameaçados, em grande parte por conta da destruição sde habitats e pela caça.
 
"Isso é um indicativo de um risco real de extinção", disse ele.   
Em uma das 20 metas propostas para 2020, os delegados tentarão entrar em consenso quanto à porcentagem de terra e oceanos que deverão ser transformados em áreas protegidas,que podem ser tanto reservas naturais fechadas quanto áreas manejadas para o uso sustentável dos recursos naturais.  

O rascunho do texto final de um acordo cita uma porcentagem de terra entre 15% e 20% do globo, mais do que os atuais 13%. Mas
nenhuma meta específica foi sugerida para os oceanos, dos quais menos de 1% é protegido.     

Mas mesmo que os governos concordem com um número global, a implemantação do plano deverá enfrentar muitos obstáculos,  incluindo a resistência das corporações que não querem desistir do acesso aos recursos hoje disponíveis. 
A Convenção da Biodiversidade foi assinada por 193 nações, mas três não a ratificaram: os EUA, Andorra e o Vaticano.   

Enquanto isso, o Japão, país sede da décima edição da Convenção (que acontece a a 270 km de Tóquio, na cidade de Nagoya) vê no evento uma chance de se apresentar como um defensor da biodiversidade, depois de ajudar a enterrar muitas das medidas da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES), entre elas as relativas ao limite do comércio de atum, tubarão e outras espécies marinhas. 
 
Tokyo também tem sido duramente criticada por grupos ambientalistas por seu programa de caça às baleias. 
 
"É uma chance do governo japonês mostrar que o país pode ter um papel de liderança nas questões marinhas e de biodiversidade", disse Wakao Hanaoka, um membro do Greenpeace.




segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Dia das crianças Green


Com apenas 1 dia de descanso após a atividade do Flash Mob nossos voluntários se puxaram na organização e na realização da atividade de dia das crianças, marcando mais uma vez presença no Parque Farroupilha (Redenção).


Tendo inicio às 9 horas da manhã nossa humilde barraca tinha como proposta a pintura de rosto, leitura de contos, espaço para desenhos e jogos diversos.
Enquanto alguns voluntários revezavam as divertidas fantasias de vacas outros mostravam suas habilidades nas pinturas de rostos.

     







Nosso público alvo eram as crianças, mas como se pode ver na foto recebemos pessoas de todas as idades para essa divertida atividade.


O movimento de nossa barraca de atividades acabou superando nossas expectativas, assim nos deixando muito felizes e ansiosos para repeti-la ano que vem.




Tenho certeza que todos os nossos voluntários foram para casa com a sensação de missão comprida! Parabéns aos participantes e toda nossa equipe que está sempre pronta para por a mão na massa!

Flash Mob arrasou!

Dia 10.10.10 como programado e divulgado nos unimos para a realização de um Flash Mob no Parque Farroupilha (Redenção)  com o objetivo de combatermos a vinda de usinas nucleares ao sul do país.
A atividade foi super bem sucedida!!

Pela manhã os voluntários do Greenpeace Poa forneceram informações sobre os problemas ambientais atualmente enfrentados ao público do parque.  Aproveitando para convidar todos a se unir às 16h para o Flash Mob contra energias nucleares.



Já a tarde em parceria a ong's como a 350º foi realizado uma limpeza pelo parque também com o objetivo de mostrar aos seus frequentadores a importância de um parque limpo, do uso de lixeiras, e a separação do lixo orgânico do seco.



 


Após a realização da coleta a concentração foi no Monumento do Expedicionário, aonde todos se deitaram e protestaram contra usinas nucleares. Enquanto alguns ativistas seguravam faixas e falavam ao megafone, outros faziam o contorno dos deitados com giz branco. A intenção da marca de giz ao redor dos corpos é de remeter essa imagem a nossa lembrança do acidente nuclear em Chernobyl.





Um número bem grande de pessoas puderam assistir a ação e acreditamos que nossa mensagem foi muito bem enviada a nossos governantes e ao público que não tinha conhecimento das especulações que estão ocorrendo no RS para estas construções.

Energias renováveis já!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Convite aberto a todos!



Dia 10 de outubro estaremos realizando uma manifestação pacifica (Flash Mob) junto ao Monumento do Expedicionário, no parque da Redenção.


Nos encontraremos para a organização do Flash Mob às 16h.
Às 16h30, convidados, amigos, colaboradores e voluntários vestindo roupas preferencialmente pretas, se deitarão no chão em volta do Expedicionário. Enquanto isso alguns voluntários irão segurar faixas "Energia Nuclear Não" e outros desenharão o contorno das pessoas deitadas no chão com giz. Tudo isso remetendo ao terrível acidente de Chernobyl que em 26 de Abril de 1986 libertou uma imensa nuvem radioativa contaminando pessoas, animais e o meio ambiente de uma vasta extensão de Guadalupe, África.


O objetivo desta ação é chamar a atenção das pessoas para esse importantíssimo assunto que apesar de já estar em  discussão e planejamento aqui no Rio Grande do Sul, pouquíssimos tem conhecimento. 


Para quem quiser chegar mais cedo, melhor ainda! Nossos voluntários estarão no parque a partir das 9 horas com sua tradicional barraca e explicativos das campanhas. Esperamos todos vocês lá!!


O que é um Flash Mob? 

Flash Mobs são aglomerações instantâneas de pessoas em um local público para realizar determinada ação inusitada previamente combinada.
A expressão geralmente se aplica a reuniões organizadas através de e-mails ou meios de comunicação social.


Flashmob em São Paulo
Flash mob em São Paulo aconteceu em frente à Casa das Rosas, na Avenida Paulista.


Está ação será feita no dia 10.10.10 por um motivo, é claro! Esse dia é conhecido como Global Day of Action (dia da ação global). Você já ouviu falar? 


Global Day of Action é uma ação de formato direto. Organizações ambientalistas começaram a usar esta data em 2005 pela conexão com o Global Climate Campaign. A idéia é focar a atenção mundial nos efeitos maléficos que os seres humanos estão causando ao aquecimento global. O principal objetivo é cobrar de representantes dos seus respectivos governos que respeitem acordos estabelecidos no Kyoto Protocol, com isso conduzindo uniões de demonstrações de paz pelo mundo. 
As demonstrações tem a intenção de coincidir com a United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC), uma reunião de lideres de 189 diferentes nações que se encontram anualmente para discutir os efeitos climáticos e possíveis soluções.  


Convide amigos, parentes, colegas... contamos com a SUA presença!